Print

Festas de Yahuwah: Mantidas pelos Apóstolos

Acredita-se e ensinou-se que as Festas Anuais listadas nas Escrituras foram dadas apenas aos Judeus ou foram, de alguma forma, "pregadas na cruz".

Roman nails, crown of thorns, and Hebrew Scripture (Leviticus)O argumento de que qualquer parte da lei divina foi abolida na cruz surgiu em 1800, quando o conhecimento do Sábado do sétimo dia foi sendo restaurado. Como a verdade espalhou que Yahuwah era para ser adorado no sétimo dia da semana, e não no primeiro, ministros pregaram pela primeira vez que a lei divina foi "pregada" na cruz.

Antes desse tempo, ninguém se atreveu a pregar uma mensagem tão contraditória. A lei divina não pode ser "pregada" ou modificada porque é perfeita. Foi porque a lei divina não pode ser modificada ou alterada que Yahuwah deu o Seu filho para morrer por pecadores, porque: "De acordo com a lei. . . sem derramamento de sangue não há remissão [de pecados]." (Hebreus 9:22, JFA V)

Esta mesma heresia tem transitado para a lei estatutária. Satanás enganou a maioria da cristandade fazendo acreditar que não só foi o Sábado "pregado na cruz", mas os dias de adoração anuais, chamado Festas, foram também. 

Tal crença é baseada em um mal-entendido da lei divina. Yahushua, como nosso Salvador, perfeitamente manteve o direito divino. Como Seus seguidores, somos exortados a seguir o seu exemplo. O apóstolo Paulo manteve as festas e ensinou os gentios convertidos a fazerem o mesmo, como pode ser visto por suas referências para manter as festas em Atos 18:21 (ACF/LTT*) e 20:6.

"Cristo sofreu por nós, deixando-nos o exemplo, que você deve seguir os seus passos." (1 Pedro 2:21)

Todos os apóstolos e os primeiros cristãos mantiveram as festas centenas de anos após a morte e ressurreição de Yahushua.

Muitos supõem que levou tempo para os apóstolos deixarem de lado o que os cristãos de hoje consideram "tradição judaica desnecessária." No entanto, essa hipótese é falsa. Os apóstolos e os primeiros cristãos nunca mais sacrificaram todos os animais, porque Yahushua, o Cordeiro de Yah que tira os pecados do mundo, já havia sido sacrificado uma vez para os pecados do mundo.

Os apóstolos e os primeiros cristãos mantiveram as festas sem a oferta de sacrifício de sangue porque eles entenderam que a lei divina deve ser mantida para sempre:

"Tu estás perto, ó [Yahuwah], e todos os teus mandamentos são a verdade. Acerca dos teus testemunhos soube, desde a antiguidade, que tu os fundaste para sempre. A tua palavra é a verdade desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre." (Salmo 119:151, 152, 160, ACF, ênfase dada).

De acordo com o Venerável Beda, escrevendo no início do 8º século, João Amado observou o "décimo quarto dia do primeiro mês" ou Páscoa, e ensinou os primeiros crentes cristãos a fazerem o mesmo.

Estas festas foram mantidas por todos os fiéis, até que, sob a influência da Igreja de Roma, o paganismo entrou e começou a corromper a fé, uma vez pura. Sob o pretexto de "converter os pagãos", Victor, o Bispo de Roma, comprometido com o paganismo, adotando celebrações pagãs, como o Natal e aPáscoa, pôs de lado as Festas de Yahuwah.

Polícrates, um mártir cristão, aprendeu com Policarpo, um dos discípulos de João, a manter as festas. Quando Victor procurou impor a observância da Páscoa, Polícrates escreveu-lhe uma carta em que ele enumera importantes pais cristãos que mantiveram a Páscoa Judaica e não a Páscoa [pagã]:

Portanto, mantemos o dia sem desvios, nem acrescentando, nem tirando, na Ásia [Menor] os grandes luminares dormem e eles irão subir no dia da vinda do Senhor, quando vier com glória do céu e procurar todos os santos. Tais foram [o Apóstolo] Filipe. .. Há também João que estava sobre o peito do Senhor. . . . E há também Policarpo de Esmirna, o bispo e mártir, e Thraseas, o bispo e mártir de Eumenaea. . . . [Também] Sagaris. . . . Papirio,. . . . E Melito. . . . todos eles mantiveram o décimo quarto dia da Páscoa, de acordo com o evangelho, nunca se desviando, mas seguindo de acordo com a regra da fé. (Polycrates, Letter to Victor, Bishop of Rome, quoted in Eusebius’ Ecclesiastical History {Polícrates, Carta a Victor, Bispo de Roma, citado em História Eclesiástica de Eusébio})

A adoção de feriados pagãos foi lamentada por Tertuliano que, por volta de 230 d.C., lamentou que as Festas Bíblicas tinham sido postas de lado em favor de festivais pagãos:

"Por nós, que somos estranhos aos Sábados, e luas novas, e festivais, uma vez agradáveis ​​a Deus, a Saturnália, as festas de Janeiro, o Brumalia, e a Matronalia, agora são frequentadas; presentes são levados para lá e para cá, no dia de ano novo os presentes são feitos com estrondo, e os esportes e banquetes são celebrados com alvoroço, oh, quanto mais fiéis são os gentios à sua religião, possuem um cuidado especial para adotar nenhuma solenidade dos cristãos" (Tertullian {Tertuliano}, De Idolatria, c. 14, Vol. I, p. 682.)

Ocultação A LeiA batalha entre a Igreja de Roma e aqueles que se recusaram a aceitar o paganismo, adotando adorar nas Festas de Yahuwah, cresceu muito aquecida. Eusébio, um historiador romano e bispo de Cesaréia, escreveu sobre o conflito:

"Naquele tempo, uma não pequena controvérsia surgiu porque todas as dioceses da Ásia achavam-se certas, como se por mais antiga tradição, na observação da Festa da Páscoa do Salvador, o décimo quarto dia da lua, em que os Judeus foram ordenados a matar o cordeiro." (Eusebius, Church History, Ch. XXIII. {Eusébio, História da Igreja, cap. XXIII}).

Cristãos Apostólicos, como Policarpo e Polícrates que haviam sido ensinados diretamente pelos Apóstolos, ainda observaram as festas, recusando-se a aceitar as falsificadas celebrações pagãs.

A grande questão de litígio entre as Igrejas da Ásia Menor e do resto da Cristandade, era se a comunhão pascal deveria ser celebrada no décimo quarto dia de Nisan [no calendário Bíblico], ou no Domingo do festival da ressurreição, sem levar em conta a cronologia Judaica [tempo de manutenção]. Os Cristãos da Ásia Menor, apelando para o exemplo dos Apóstolos, João e Filipe, e para a prática uniforme da Igreja, celebraram a Páscoa Cristã sempre no décimo quarto dia de Nisan, qualquer dia da semana [pagã Juliana] que pudesse cair . . . . A Igreja Romana, por outro lado, seguida por todo o resto da Cristandade, comemorou a morte de Cristo, sempre na sexta-feira, e sua ressurreição no domingo, seguinte à primeira lua cheia após o equinócio vernal. (Christian Classics Ethereal Library, footnote #1687 to Eusebius,Church History, Ch. XXIII. {Biblioteca Etéria dos Clássicos Cristãos, nota de rodapé #1687 por Eusébio, História da Igreja, cap. XXIII}).

Foi, na realidade, uma luta sobre quando a adorar e qual calendário usar para calcular os dias de culto. Satanás, como predito em Daniel, estava tentando mudar os tempos e as leis. 

"Essa polêmica durou quase dois séculos, até que Constantino interveio em nome dos bispos de Roma e proibiu o outro grupo." (R. L. Odom, Sunday in Roman Paganism, p. 188. {Domingo no Paganismo Romano})

Por mais de mil anos, as Igrejas da Escócia ainda estavam adorando no Sábado do sétimo dia e observavam a Páscoa pelo calendário antigo da Bíblia. 

Sob a influência de uma rainha Católica Romana, a Escócia finalmente deixou de lado a fé pura que havia preservado desde os tempos Apostólicos, mas mais tarde foi um dos primeiros a abraçar um retorno à verdade durante a Reforma Protestante.

O Culto em falsos dias de culto desonra o Criador. Apegar-se a feriados pagãos e recusar-se a observar as Festas de Yahuwah, quebra a lei divina.

Yahuwah deu sua lei, para o bem de seu povo. Todos os que quebram a Sua lei, hoje, apenas seguem os passos do antigo Israel como eles repetidamente haviam apostatado.

"E dei-lhes os meus estatutos e lhes mostrei os meus juízos, os quais, cumprindo-os o homem, viverá por eles. E também lhes dei os meus sábados, para que servissem de sinal entre mim e eles; para que soubessem que eu sou [Yahuwah] que os santifica.

Mas a casa de Israel se rebelou contra mim. . . não andando nos meus estatutos, e rejeitando os meus juízos, os quais, cumprindo-os, o homem viverá por eles; e profanaram grandemente os meus sábados. . . .

Mas disse eu a seus filhos. . . : Não andeis nos estatutos de vossos pais, nem guardeis os seus juízos, nem vos contamineis com os seus ídolos. Eu sou [Yahuwah] vosso [Eloah]; andai nos meus estatutos, e guardai os meus juízos, e executai-os. E santificai os meus sábados, e servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou [Yahuwah] vosso [Eloah]". (Ezequiel 20:11-13, 18-20, ACF)

sinal entre Yahuwah e o Seu povo não é apenas o Sábado do sétimo dia. Incluído no sinal, estão a manutenção de todas as outras Festas que são uma parte da lei estatutária. Estas Festas estão listadas em Levítico 23 e a primeira festa listada é o Sábado do sétimo dia.

O culto ao Criador deve ser realizado em todas as suas santas convocações, que são o sinal entre Yahuwah e Seus filhos.

Festas de YahuwahNestes últimos dias, Yahuwah está convidando todos a retornarem à verdadeira adoração, em todos os seus dias santos: Sábados semanais, mensais, Luas Novas e Festas Anuais. Àqueles que retornarem para Yahuwah, mantendo a Sua lei, são dadas uma bela promessa - a promessa de um novo coração.

"E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis." (Ezequiel 36:26, 27, ACF)As promessas são para todos os que guardam os mandamentos de Yahuwah, Seus juízos e Seus estatutos. Para as pessoas que "andarão nos meus juízos e guardarão os meus estatutos, e os observarão." (Ezequiel 37:24, ACF)

Yahuwah prometeu: "E farei com eles uma aliança de paz; e será uma aliança perpétua. E os estabelecerei, e os multiplicarei, e porei o meu santuário no meio deles para sempre. E o meu tabernáculo estará com eles, e eu serei o seu [Elohim] e eles serão o meu povo." (Ezequiel 37:26, 27, ACF).Neste momento, em que a verdade está sendo restaurada, Yahuwah adverte o Seu povo: "Lembrai-vos da lei de Moisés, meu servo, que lhe mandei em Horebe para todo o Israel, a saber, estatutos e juízos." (Malaquias 4:4, ACF)

Ponha de lado todos os dias de culto e celebrações pagãs. Honra ao teu Criador, adorando-O em todos os seus dias santos, calculado pelo Seu sistema ordenado de tempo, o calendário luni-solar da criação.

"BEM-AVENTURADOS os retos em seus caminhos, que andam na lei de [Yahuwah]. Tu ordenaste os teus mandamentos, para que diligentemente os observássemos. Observarei os teus estatutos. Ensina-me, ó [Yahuwah], o caminho dos teus estatutos, e guardá-lo-ei até o fim. Assim observarei de contínuo a tua lei para sempre e eternamente." (Veja o Salmo 119, ACF).

* Tradução em Português por João Ferreira de Almeida, Edição Corrigida e Revisada, Fiel ao Texto Original, Edição 2007 / Bíblia Literal do Texto Tradicional Anotada – Versão 18/09/2009 (VT) e 01/08/2009 (NT).


Artigos Relacionados: